13 Fevereiro 2018

Religiosos refletem sobre a identidade cristã em Jerusalém

Membros do Comitê Episcopal dos Religiosos da Terra Santa se encontraram em Abu Gosh com Dom Pizzaballa para refletirem sobre a realidade missionária específica de Jerusalém.

Os cristãos na Terra Santa

Loading the player...
Embed Code  

Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Copy the code below and paste it into your blog or website.
<iframe width="640" height="360" src="https://www.cmc-terrasanta.org/embed/religiosos-refletem-sobre-a-identidade-crista-em-jerusalem-14376"></iframe>
Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Por favor, envie um email para :
info@cmc-terrasanta.org

Assunto: Pedido de Vídeo de Alta Qualidade

Mensagem:
Arquivo Pessoal / promoção CMC / TV Broadcasting

http://www.cmc-terrasanta.com/pt/video/os-cristaos-na-terra-santa-2/religiosos-refletem-sobre-a-identidade-crista-em-jerusalem-14376.html

Nenhuma parte deste vídeo podem ser editadas ou disseminada sem um acordo com antecedência com o Christian Media Center acordarem os termos e condições de publicação e distribuição.
Por que estamos aqui? O que Jerusalém significa para nós? São tantas as perguntas levantadas no sábado, 10 de fevereiro, durante o encontro do Comitê Episcopal dos Religiosos da Terra Santa, em Abu Gosh.

Pe. JEAN DANIELE
São Pedro do Gallicantu - Diretor CRTS
“Os religiososque se encontram aqui hoje, cerca de 70, vem da Galiléia, de Belém e de Jerusalém. Representam as trinta congregações masculinas que, mediante o convite do Patriarcado Latino, começaram a se encontrar na metade do século 19 até os dias atuais”.

Hoje Jerusalém acolhe cerca de 600 religiosos (sem contar os Institutos femininos), sendo a maioria estrangeiros. “Presença preciosa” -enfatizou Dom Pierbattista Pizzaballa, que conduziu o encontro. É, no entando – acrescentou -uma grande responsabilidade.

S.E. Mons. PIERBATTISTA PIZZABALLA, ofm
Administrador Apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém
“A Igreja Católica da Terra Santa è riquíssima e conhece tantas diversidades: Língua, apostolado, carisma etc… Uma riqueza que, entretanto, corre um sério risco de se fragmentar-se, de viver cada um porsi, em várias ilhas isoladas ou pequenos guetos, onde são realizada obras maravilhosas, mas dentro da sua própria realidade, sem que haja uma comunicação de uns com os outros. O desafio que a Igreja de Jerusalém tem é encontrar esta unidade, encontrar-se na unidade.”

E mais, servir a cidade e não servir-se dela, integrar-se na sociedade favorecendo uma educação voltada ao perdão, a paz e ao amor, em um contexto no qual os cristãos, hoje menos de 8000, correm o risco de perderem o vínculo com Jerusalém.

Pe. CHRISTIAN MARIE
Mosteiro Trapista de Latrun - Secretário CRTS
“Estou muito feliz por participar deste encontro com o nosso Bispo que nos falou sobre muitas coisas interessantes como sobre o papel dos religiosos na Terra Santa e que nos explicou porque é absolutamente particular o papel da Igreja de Jerusalém que é aomesmo tempo a Igreja local, mas também a Igreja mãe de todas as Igrejas”.